Artigos e Crônicas

Os Amigos e a Longevidade

 

Lembra-me Borges, que escrevera gabar-se mais dos livros lidos.

Ler é mais interessante do que escrever. Mas, às vezes, é necessário fazê-lo, para livrar-se de uma ideia, que não nos deixa em paz, ou documentar algo vivido neste curto espaço da aventura terrestre.

Este é o meu caso.

É uma ilusão a do tempo passando devagar; num estalar de dedos, os meses parecem minutos, e os anos, dias.

Os antigos já não são tão distantes, e assim vamo-nos tornando também. E a literatura se transforma numa recusa por aceitar o rodar dos anos.

A velhice principia quando já não se sabe o que fazer no futuro. Os filhos criados, dinheiro ganho, certa angústia pelo tempo à frente.

Alguns chamam isto de depressão.

É necessário planejar o futuro, para se ter um passado digno, a ser recordado.

Há pessoas que planejam os anos restantes imersos em viagens e leitura; mas isto é pouco, e pode ser enfadonho.

Planejei escrever sobre coisas vividas, nada muito ordenado, um balanço vivencial, onde pudesse recuperar algumas coisas perdidas na memória.

Fiz muitas anotações soltas no decorrer da vida, e acho que poderão ter alguma utilidade, pois serei meu primeiro leitor.

Agora mesmo vem à recordação a surpresa que me chegou há anos, numa caixinha de Sedex, com uma carta do amigo Walter O no, uma dose do elixir da longa vida e um exemplar de Fup, o livrinho de Jim Dodge, que iria contar a história de uma pata diferente.

“Para amigos, não precisa se explicar. Eles entendem. Há vinte anos, venho desenvolvendo um elixir da longa vida. Dos panteístas, no meio da floresta, sorvi o amargo sumo da Terra. Dancei premonições de Xamãs, com raios caindo sobre suas cabeças arrepiadas.

Ouvi polímatas sublimarem sabores do conhecimento destilados em cadinhos de tantas coisas, com tantos odores, que guardei nas dobras da memória. Longevo e só, não tem graça. A vida com os amigos, sim.

Aqui vai uma dose do elixir da longa vida…Fly! Comprovar é muito demorado, mas posso afirmar que a nossa sobrevida vai até o último sussurro do derradeiro amigo. Banzai!

”O presente chegara numa sorridente manhã de setembro. Pensei que Deus falara comigo através das palavras do Walter.

Mas Ele é assim mesmo; tão presente e ausente!

Agora eu leria a história de Fup, a pata diferente, que, mesmo antes de conhecê-la, me trouxera uma lição difícil de esquecer.

E o elixir ficaria ali, no criado-mudo, a me falar sobre a amizade, a eternidade, a sobrevida, e o derradeiro amigo.

Banzai!

Escrito por:  Nagib Anderáos Neto
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Fale Comigo

nome:

Newsletter

Receba Nossas novidades


Cadastrar

Siga-me