Poemas

Infância

 

Longe lá tão longe
O tempo esconde céus azuis em tardes modorrentas.
Zumbidos longínquos e monótonos de pequenos aviões escondidos
Atrás de nuvens de algodão.
Deitado na grama de um quintal silencioso
O tempo parado não perguntava
Nem respondia,
Só eternizava.
Era um menino olhando um céu Infinito
Numa infância que ainda não terminou.

Escrito por:  Nagib Anderáos Neto
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Fale Comigo

Nome:
Telefone:
E-mail:
Messagem:

Newsletter

Receba Nossas novidades


Cadastrar

Siga-me