Poemas

Saudade Funda

 

Encontrei um escrito perdido numa página de um desgastado livro de Fernando Pessoa.

Reproduzo:

Saudade  Funda

O corpo dorme, o espírito sonha.

Um , encarcerado nos barrotes da carne.

O outro, alçando-se em voo sobre a mediocridade plana da vida.

Antes ser criança.

Sou como um poema que não chegou a ser.

A saudade é funda

E o tempo acaba.

Talvez ,depois de lá,

Eu volte a ser o que fui,

O que não fui,

O que sempre quis ser,

O que sonhei,

O que serei.

Escrito por:  Nagib Anderáos Neto
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Fale Comigo

nome:

Newsletter

Receba Nossas novidades


Cadastrar

Siga-me

 

Artigos e Crônicas