Poemas

ADEUS A MARIO GATTAI

 

Minhas mãos imóveis

Sentem vontade de gestos que nem sei...

Talvez saudade do palco,

Talvez da Infância.

 

 

Mario Gattai já se vai

Chamando Cinique,

E nossos beijos interrompidos,

Transformados em ouvidos,

Saberão o veredito das igrejas

E dos partidos

Do socialismo e do capitalismo.

 

 

Talvez a Ópera

Talvez a praia

Talvez o vinho

Talvez um almoço no domingo.

 

 

Guardo em minha casa as tuas pinturas,

Nos meus filhos os teu tiques,

E Cinique,

Que te roubei um dia sem saber,

Te guardarei,

 

Até que voltes,

 

Até que retornes pra viver.

Escrito por:  Nagib Anderáos Neto
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Fale Comigo

nome:

Newsletter

Receba Nossas novidades


Cadastrar

Siga-me

 

Artigos e Crônicas