Artigos e Crônicas

A Vida dos Pensamentos

 

O tempo de vida é exíguo, não determinado, limitado, embora possa ser ampliado, expandido, pela intensidade do que se viveu, aprendeu, sentiu, experimentou.

 

Aproveitar o tempo é uma questão de opção, escolha, como viver. O tempo como sendo a própria vida em sua essência é uma bela definição, assim como a literatura, como uma forma de felicidade. É necessário escolher bem o que se vai viver ou ler, para não experimentar a angústia do tempo perdido, que não volta mais, é irrecuperável.

 

É possível que a melhor forma de aproveitar o tempo seja utilizar a inteligência para criar, pensar, o que passa, inevitavelmente, pela literatura, quando se começa a falar consigo mesmo através das personagens ou o poema lido em voz alta, quando o conto do autor se transforma num entreouvir-se, pois a poesia não é mais que uma reflexão, um voltar os olhos para si mesmo e falar o que se quer ouvir, conversar consigo mesmo.

 

Nada é tão maravilhoso quanto a arte; sermos ou transformarmo-nos no que sonhamos, como o roteiro de vida que planejamos, sendo diretores, artistas e roteiristas da própria vida, da existência.

 

Escrever, como ler, são atos mágicos; como viver, recordar e aprender. As palavras, metáforas vivas, pensamentos materializados, estão ali, na leitura e escritura sagrada, que qualquer homem pode realizar, escrevendo a própria vida e o!destino, à semelhança de Deus, que escreve homens e universos.

 

Para o pensador González Pecotche, o pensamento tem um corpo, uma alma e um espírito. O corpo é a palavra escrita, a alma, a falada, e o espírito, a não pronunciada, essência oculta do pensamento, que transcende a materialidade, e transita na eternidade, consubstancial com o espírito humano, que é divino.

 

O conhecimento – pensamento sutil – pode construir ou destruir, ampliar ou reduzir. Assim também a palavra, com suas luzes ou sombras. Metáfora viva ou morta, humana ou desumana, podendo nos fazer ascender às alturas do conhecimento, ou mergulhar nas trevas da ignorância.

 

A palavra, como o pensamento, pode unir ou desunir, construir ou destruir, eternizar-se ou sucumbir no esquecimento sob as lápides que sepultam o efêmero, a ignorância e as tradições.

 

Que sejam as palavras, expressões vividas de nossos pensamentos, instrumentos criados por nós para urdir a paz e o entendimento, o conhecimento e a evolução, para que possamos viver neles e ali nos encontrar e reconhecer no futuro.

 

Escrito por:  Nagib Anderáos Neto
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Fale Comigo

nome:

Newsletter

Receba Nossas novidades


Cadastrar

Siga-me

 

Artigos e Crônicas

Últimos Poemas